BSBIOS é recertificada em Produção Eficiente de Biocombustíveis

Compartilhar:

Processo de renovação da certificação foi conduzido pelo organismo certificador Green Domus Desenvolvimento Sustentável

A BSBIOS, unidade de Passo Fundo, recebeu no dia 11 de agosto, o novo certificado de Produção Eficiente de Biocombustíveis, a partir da matéria-prima de gordura de animais, aprovado pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Essa certificação permite que o produtor ou importador de biocombustível, devidamente autorizado pela ANP como um emissor primário, possa participar do mercado de Crédito de Descarbonização (CBIO) em quantidade proporcional ao que é produzido ou importado e comercializado.

O Certificado é proveniente da Política Nacional de Biocombustíveis (RenovaBio), instituída pela Lei nº 13.576/2017, que tem como principal instrumento o estabelecimento de metas nacionais anuais de descarbonização no setor de combustíveis, incentivando o aumento da produção e da participação dos biocombustíveis na matriz energética brasileira.

Esta é a segunda vez que a BSBIOS recebe o certificado. A primeira ocorreu em novembro de 2019, sendo na época, uma das primeiras usinas de biodiesel a se certificar pela RenovaBio. Na ocasião, a nota de eficiência energética foi de 81,30gCOeq/MJ e um volume elegível de 20,72%. Neste ano, a nota de eficiência energética passou a ser 81,24gCO2eq/MJ com um volume elegível de 27,04%, o crescimento desse volume deve-se ao fato do aumento do consumo de gordura animal na unidade industrial. O Certificado da Produção Eficiente de Biocombustíveis tem validade de três anos.

A unidade de Marialva, no Paraná, também é certificada, tendo uma nota de eficiência energética de 81gCO2eq/MJ e um volume elegível de 39,59%. Neste ano, somente a unidade de Passo Fundo estava em processo de recertificação, visto que o certificado da unidade de Marialva tem validade até dezembro de 2022.

A gerente de sustentabilidade da BSBIOS, Ana Cristina Curia, explica que o aumento do volume elegível está relacionado às cadeias de produção, de modo que elas sejam eficientes em termos de uso de recursos naturais, ou seja, não basta olhar apenas para o produto final, já que o impacto não é somente na produção de uma empresa, mas em toda a cadeia. “Temos que atuar lá junto ao produtor para que ele tenha essa ciência de consumir menos agrotóxico, por exemplo. Gerando menos resíduos, o impacto é menor, menos gás de efeito estufa é produzido. O mesmo acontece na nossa produção, se houver o reaproveitamento de uma biomassa, menos emissão vai ser gerada. Se essa biomassa não fosse reaproveitada, ela iria para um aterro, originando gás metano e piorando a condição climática. Então, quando há o reaproveitamento, menos matéria-prima nova é utilizada, contribuindo com o planeta”, pontua.

Para o diretor comercial da BSBIOS, Leandro Luiz Zat, a certificação alcança toda a cadeia produtiva e reafirma o compromisso com o meio ambiente. “Produzir um produto de qualidade com garantia sustentável envolve todas as partes, não é apenas uma etapa do processo que vai garantir isso, é um sistema de produção que inicia muito antes da matéria-prima chegar na empresa e não termina com a finalização do produto. Por isso, os resultados retratam e instigam toda a cadeia produtiva a continuar trabalhando compromissados com a preservação ambiental”, afirma Zat.

Ainda, Ana ressalta que a certificação é reflexo do que é trabalhado na empresa, aliado aos propósitos, como se tornar carbono neutro até 2030. “A BSBIOS trabalha focada nisso, o nosso produto hoje é em prol da descarbonização. Quando se fala em contribuir com o desenvolvimento sustentável, em estar entre as três maiores produtoras mundiais de biocombustíveis, essas questões estão ligadas com o clima e as certificações são uma consequência natural, porque já temos uma gestão voltada para esse propósito. E isso é uma forma de continuar trabalhando com eficiência e eficácia, pois é um trabalho que melhora a qualidade de vida não só das futuras gerações, mas da atual também”, afirma a gerente de sustentabilidade.