SUSTENTABILIDADE

Selo Combustível Social

selo A BSBIOS foi uma das primeiras empresas produtoras de biodiesel do país a receber o Selo Combustível Social. Mantém estreita relação com a Agricultura Familiar, da qual adquire no mínimo 40% da matéria-prima e, através de parcerias desenvolve programas de culturas alternativas, com destaque para a cultura da canola. Com essa política a empresa auxilia no complemento da renda dos pequenos agricultores e contribui para sua permanência no campo, garantido dessa forma, a participação da Agricultura Familiar da região no Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB).

O Selo Combustível Social foi criado para garantir aos agricultores familiares a oportunidade de participação no mercado de biocombustíveis do País. O Selo só é concedido aos produtores de biodiesel que comprovem que estão promovendo a inclusão social e o desenvolvimento regional.


Para tanto, precisam obedecer algumas regras e cumprir algumas obrigações para com o agricultor familiar e/ou a cooperativa familiar, que são:

Firmar contratos com os agricultores familiares e/ou com as cooperativas familiares, que sejam negociados com a participação de uma entidade representativa (sindicatos ou federações da Agricultura Familiar);

Assegurar assistência técnica gratuita aos agricultores, seja de forma direta ou via equipes técnicas das Cooperativas Familiares;

Capacitar os agricultores familiares para a produção de oleaginosa de forma direta ou em conjunto com as Cooperativas Familiares com as quais a empresa tem contratos de compra e venda de matérias-primas familiares;

Adquirir um percentual mínimo de matéria prima da agricultura familiar (40% na Região Sul do Brasil).

Caracterizam-se como agricultores familiares:

Quem possui até quatro módulos fiscais;

Possuem DAP (Declaração de Aptidão ao Pronaf) ativa e válida;

Serem representados por uma entidade da Agricultura Familiar.

 

 Procedimentos:

No período do zoneamento agroclimático da cultura o agricultor deve comparecer a Cooperativa Familiar da qual o mesmo é associado para contratar a sua produção. Para tanto, é necessário levar uma cópia da carta de aptidão que pode ser emitida pelos Sindicatos ou Emater, e manter seu cadastro atualizado junto a cooperativa.


Durante todo ano os engenheiros agrônomos e/ou técnicos agrícolas da cooperativa onde o agricultor familiar é associado estarão realizando acompanhamento das culturas, através de visitas técnicas na propriedade. A cada visita será emitido um laudo com as considerações e orientações.


Após a colheita da cultura é realizado o planejamento do próximo ano/safra de toda a propriedade do agricultor familiar.